,

Superando dificuldades ao brincar: uma abordagem responsiva! (Autismo parte 1)

Saindo um pouco da hipnose, venho escrever sobre o autismo, já que tem sido um assunto que permeia meu cotidiano no momento. Portanto, antes de explicar sobre a abordagem, vejo mais do que necessário a explanação do termo autismo, o qual tentarei colocar sucintamente algumas de suas características/informações.

Primeiramente uma caracterização do autismo é que ele se encontra dentro dos Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD), ou seja, pode haver: dificuldades de socialização; atraso de linguagem e comunicação; comportamentos disruptivos (disrupção: difícil condução – agressividade; enfrentamento). Já nas especificidades do autismo, encontra-se: isolamento social; déficit quantitativo e qualitativo de comunicação; padrões de comportamento, atividades e interesses restritos e/ou estereotipados. Leia mais

, , ,

Metáfora – Medo da Transformação (Danaan Parry)

Às vezes eu sinto que minha vida é uma série de voltas em um trapézio, como aqueles de circo, ou estou me segurando em uma barra de trapézio balançando de um lado para o outro, ou por alguns momentos em minha vida estou me lançando em vôo livre no espaço entre as barras do trapézio. Na maior parte do tempo, levo minha vida me segurando à minha barra do trapézio do momento, protegendo minha preciosa vida, como se ela dependesse disso. Ela me conduz em um ritmo constante de balanços e eu tenho a sensação que estou no controle de minha vida. Conheço a maioria das perguntas certas e até mesmo algumas das respostas certas. Porém, de vez em quando, enquanto estou simplesmente (ou não simplesmente assim) me balançando, olho lá para frente à distância, e o que eu vejo? Vejo outra barra de trapézio vindo em minha direção. Ela está vazia e eu sei, eu sei a partir daquele lugar dentro de mim que simplesmente sabe, que esta barra de trapézio tem o meu nome, é para mim. Ela é o meu próximo passo, meu crescimento, minha vivacidade vindo me pegar. Em algum lugar lá dentro eu sei que para eu crescer devo soltar meu apego à barra tão conhecida do presente e ir para a nova barra.  

Todas as vezes que isso acontece comigo, eu tenho esperança (na verdade, eu rezo) para que eu não precise me lançar para a nova barra. Porém, Leia mais